A crucifixação era a pena capital aplicada como forma de tortura a criminosos condenados por crimes violentos. Cordões de couro ou pregos foram usados para pendurar o homem condenado num madeiro. Como um bicho desamparado entrelaçado no arame farpado, a vitima poderia sobreviver dias em dores insuportáveis. A morte geralmente chegava por meio de sufocação quando o crucificado já não tinha forças para respirar.

 Três homens sobre três madeiros

 Na primavera do ano 33 DC, a crucificação de três homens fora das paredes da cidade de Jerusalém, mudou o curso da história. O evento em si era comum no Médio Oriente naqueles tempos. Mas mesmo assim, cerca de 2000 anos passados, o mundo continua a falar nestas três mortes.

 M.R. de Haan escreveu na contracapa da sua Bíblia a seguinte frase:”Um homem morreu com a culpa dentro e sobre ele. O segundo homem morreu com a culpa dentro dele mas não sobre ele. O terceiro Homem morreu com culpa sobre Ele mas não dentro dEle.”

 1 – Um homem morreu com o pecado dentro dele e sobre ele.

 Ele era o primeiro dos dois ladrões que fora executado naquele dia. Pela lei daquela terra a ele foi dado o castigo que ele mereceu. Um juiz investido com a autoridade do imperador romano, ele foi condenado e sentenciado.

 O primeiro ladrão parece ter morrido um homem irado. Provavelmente por ter sido apanhado, zangou-se com o juiz que o condenou. Ele parece estar bastante zangado com o homem chamado Jesus que estava pendurado ao seu lado.

 Este ladrão não estava sozinho no seu desprezo a Jesus. Outros compartilhavam os seus sentimentos. É fácil ficar furiosos com alguém que dizia ser a luz e a esperança do mundo e no entanto é pendurado na cruz como um vulgar criminoso, não se salvando a si mesmo daquela morte horripilante. Furioso por Jesus não o ajudar nem ao outro condenado (Lc. 23:39), o primeiro ladrão morreu com o seu próprio pecado dentro dele e sobre ele.

 

2 – Um homem morreu com o pecado dentro dele mas não sobre ele.

 Havia um segundo ladrão executado aquele dia, no início ele juntou-se aos outros que troçavam de Jesus. (Mt. 27:37-44).

Porém enquanto o céu estava a enegrecer, o segundo ladrão sofreu uma mudança no coração. Virando-se para o primeiro ladrão disse: ”Tu ainda nem temes a Deus estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam, mas Este nenhum mal fez.” De seguida ele disse a Jesus: “Senhor, lembra-te de mim quando entrares no Teu Reino.” E Jesus disse-lhe: “Em verdade te digo que ainda hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc. 23:39-43).

Esta poderia ser uma das conversas mais importantes registadas na Bíblia. Estas poucas palavras mostram o que o Novo Testamento declara. Perdão dos pecados e vida eterna são dados a qualquer um que creia em Jesus Cristo. Nada mais nem nada menos que isso. Somente a fé em Cristo e exclusivamente em Cristo determina o nosso destino eterno. O segundo ladrão morreu com o pecado dentro dele mas não sobre ele. O Juiz dos céus tirou a culpa de cima dos ombros deste ladrão e pôs sobre Jesus.

 

3 – Um Homem morreu com pecado sobre Ele mas não dentro dEle.

Jesus carregou a culpa do mundo. Ele morreu com o peso dos pecados do mundo sobre Ele, mas não cometeu o menor erro ou pecado. Três dias mais tarde Ele ressuscitou dos mortos para mostrar que a Sua morte não foi um erro.

 Com um corpo cicatrizado e ressurrecto, Jesus a centenas dos Seus discípulos todas as evidências que precisavam para crer que Ele tomou o seu lugar na morte. O julgamento de Deus caiu sobre Ele em vez de cair sobre nós.

 APLICAÇÃO

 O que eu acho incrível é que isto é a nossa história. Nós estávamos lá. Nós estávamos lá porque Jesus estava lá em nosso lugar, a pagar pelos nossos pecados. Mas nós estávamos lá porque cada um de nós irá responder como um dos dois ladrões respondeu.

 As palavras não fazem a diferença, apenas a fé faz toda a diferença. Se o leitor sente que não tem fé mas deseja-a, peça-a a Deus agora mesmo. Ele nunca nega esse pedido.

Extraído de: Jornal Movimento Nova Era nº 3 Julho 2004

 

Portal Gospel        © 2002- 2006  Página actualizada em 07-08-2006

[ Início  ]  [ Mapa do Site ]  [ Fale connosco ]  [ Procurar ]